Spring Breakers é um filme de gênero semi-convencional e futuro cult favorito


Temos aqui mais uma resenha do filme Spring Breakers, feita pelo site Indie Wire, que assistiu ao primeira sessão da equipe. Confira abaixo:

Isso vai fazer você se sentir velho: tem sido 18 anos desde que Harmony Korine escreveu “Kids” aos 21 anos, com o filme dirigido por Larry Clark provando algo estrondoso nos meados dos anos 90 no cinema indie, foi controverso, decadente, e honesto. Korine fez a sua estreia como diretor com “Gummo” em 1998, e nos últimos 15 anos ele fez filmes que (com a possível exceção de “Mister Lonely”) empurraram limites estéticos e críticos mais e mais, culminando em “Trash Humpers” em 2009, um filme gravado com uma câmera de VHS, com um elenco de pessoas velhas usando máscaras, geralmente tentando provocar o público para uma caminhada. Então onde ele poderia possivelmente ir desde então?

Ao fazer Spring Breakers, um curioso mainstream (pelo menos para os padrões de Korine) de imagens de crime/exploração – que poderia ser descrito como “Drive” da maneira de Russ Meyer, Terry Richardson e “Point Blank” – com um bando de estrelas adolescente mais conhecidas por seus trabalhos saudáveis, no Disney Channel, e um desempenho do inquieto James Franco, que só poderia ser um dos melhores atores até o momento.

O enredo é bastante simples, todos disseram. Faith (Selena Gomez), Candy (Vanessa Hudgens), Brit (Ashley Benson) e Cotty (Rachel Korine) são quatro amigas de longa data no mesmo campus da faculdade. A morena Faith é mais certinha, e nominalmente cristã, enquanto as outras têm as mais temíveis, e festeiras reputações.

Elas estão planejando ir para a Flórida no Spring Break, mas o dinheiro é curto, e para adicionar fundos extras, Candy, Brit e Cotty roubam um restaurante de fast-food. O trabalho continua sem nenhum problema, e logo elas estão no sul festejando com outros garotos e garotas enlouquecidos. O sonho parece acabar, quando elas são pegas com acusações de porte de drogas pela polícia.

Mas felizmente, elas chamam a atenção de um gangster local/aspirante a rapper Alien (Franco), que paga as multas, e as leva sob sua asa, tendo uma queda por Brit e Candy no processo. Mas quando ele entra em conflito com outro traficante, seu ex-melhor amigo Archie (rapper Gucci Mane), qual das meninas vai ficar de fora das férias de primavera ao seu lado, e qual vai voltar para a faculdade – ou pior?

É claro desde o início que este vai ser algo muito diferente para Korine, com uma seqüência de abertura em câmera lenta de garotas de topless bebendo cerveja na praia, que poderia ser relacionado a um vídeo de “Girls Gone Wild” ou um videoclipe desprezível, embora com altos valores de produção.

O diretor está trabalhando com um estilo totalmente novo aqui, e graças a DoP Benoit Debie, o filme parece legitimamente fantástico – um colorido, estético neon-iluminado noturno altamente reminiscente de imagem deste verão da Flórida. Há também algumas filmagens deslumbrantes, incluindo imagens filmadas de cima verdadeiramente inspiradoras de uma festa na piscina com o que se parece com milhares de figurantes, e uma perseguição brilhantemente coreografada da cena do roubo vista através da janela do carro de fuga.

Também é diferente, porque, se é arte, e provavelmente é, é firmemente uma obra de arte pop. A trilha sonora (quando não impulsionada pelo placar de Cliff Martinez e Skillrex) é de pop ou hip hop, com Nicki Minaj, Goulding Ellie, The Weeknd, e Waka Flocka Flame, todos fazendo aparições, juntamente com um assalto de montagem que marcou, de forma brilhante, Britney Spears.

As cores, o desenvolvimento do caráter dos personagens, as referências do filme, todos somam o equivalente cinematográfico de algo feito por Jeff Koons – brilhante, brilhante e, finalmente, descartável. Korine cutuca de volta dizendo coisas sobre o sonho americano, o materialismo, e da necessidade de escapar enquanto você sai da sua adolescência, mas nunca deixa nenhuma substância emergir. Ele é muito mais feliz, neste caso, fazendo uma imagem de exploração impecavelmente elegante. Aqueles que procuram algo tão genuinamente chocante como seu outro trabalho devem ir para outro lugar – há momentos que vão se se parecer a uma manchete do TMZ (bunda, alguma nudez, principalmente da Sra. Korine, e “Coisas Loucas” no estilo trio na piscina), mas nada realmente perigoso.

O que não quer dizer que é desinteressante, cinematograficamente falando. O humor (como com “Magic Mike”) é curiosamente pessimista e triste na maior parte do filme – ainda que as meninas têm o melhor momento de suas vidas, elas sabem que está chegando ao fim. Mesmo quando elas entram na vida de crime, elas sabem que só pode acabar mal. E a edição fenomenal por Douglas Crise (um editor e ex-assistente de Sodebergh, que também editou “Babel” e “Arbitrage”, entre outros) que realmente o empurra para a frente, raramente deixando o espectador no “presente”, constantemente voltando no tempo, e até mesmo repetindo fragmentos e cenas.

É provavelmente o único aspecto que vai atrapalhar o filme de ser um grande sucesso, embora nunca se sabe. Certamente o apelo das estrelas jovem no elenco deve ser potente, e elas realmente absolveram extremamente bem os personagens, com exceção de Rachel Korine, que nunca se sente confortável na tela. Gomez tem o melhor papel definido, mas provavelmente menos tempo de tela, enquanto Hudgens e Benson são carismáticas, mas essencialmente unidas no filme.

Mas, realmente, é o filme de Franco. Ele não aparece em nenhuma cena até quase o meio, mas o seu Flórida Fagin é extremamente divertido. Enterrado sob tranças e dentes de metal, Franco interpreta Alien como Matthew McConaughey fazendo uma impressão de Lil ‘Jon (que vai fazer sentido quando você ver, confie em nós …), um gangster curiosamente encantador e infantil. Nós crescemos cada vez mais cansados de projetos de auto-respeito de Franco, mas isso serviu como um lembrete muito necessário de quanta diversão que ele pode ter na tela.

Mencionamos “Drive” mais cedo, e de muitas formas este se sente como o equivalente de 2012 do filme cult de crime do ano passado (embora certamente não tão bom), e não apenas por causa das paisagens urbanas de neon iluminados e a pontuação de Cliff Martinez – é em última análise, uma justa fina, e suculento conto de crime, dado mais substância do que deveria ter no papel graças a algumas pessoas excelentes. É pouco provável que faça os fãs de Korine felizes (é quase como uma declaração do diretor, para melhor ou pior, que ele está pronto para parar de brincadeiras e fazer filmes “adequados”), mas os programadores da meia-noite de cinema do futuro, sem dúvida, lhe dará longos anos de vida depois que a primeira exibição for feita no cinema.

Fonte

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s